Luto Infantil

Importante lembrar da criança no momento da morte de um ente querido; sim o seu comportamento pode deixar a criança mais confusão neste momento, levando-a a ficar com medo de que outras pessoas as quais amam também venham a morrer.

O que fazer?O que dizer? Qual atitude devemos ter frente a morte de uma pessoa querida? A criança deve saber que todos os seres vivos nascem, crescem e morrem; neste contexto deixe claro para ela quem cuidaria dela no caso da morte de ambos os pais.

Use o termo correto para explicar: Morrer e Morte, termos vagos só ajudam a aumentar a confusão. Não aumente o seu pensamento “mágico”, ela pode acreditar que seu comportamento ou pensamento pode causar ou reverter a morte. Entrar em contato com a tristeza é importante para que a criança aprenda a lidar com a perda e não tornar a morte um tabu.

Não “Proteja” a criança da morte e da tristeza da perda. Ensine-a: aprender, reconhecer, nomear, aceitar e expressar sentimentos, assim você estará evitando que a criança desenvolva defesas e dificuldades de lidar com emoções difíceis. Viabilize atividades físicas e criativas para a liberação de energia. O aprendizado sobre perdas e lutos começa desde cedo com a perda de bichinhos de estimação e vai até a fase adulta.

embre-se: A criança não sabe expressar os sentimentos, é preciso observar a mudança de seu comportamento: 1) expressão de ansiedade, 2) raiva, culpa e medo muito comuns e expressos com agressividade, 3) sentimento de abandono, 4) expressão de tristeza, entre outros.

Valéria Fidélis

CRP. 06/45.571-5

Psicóloga, Psicodramatista, Especialista em Psicossomática e Tanatologia com larga experiência em Luto, Perdas e Separações.